Advogado empreendedor: entenda seu escritório como empresa!

Um escritório de advocacia é uma empresa como outra qualquer. Porém, como muitos escritórios surgiram a partir de uma estrutura familiar e, a maior parte dos advogados desconhece princípios básicos de administração, é muito comum encontrar no mercado escritórios que não contam com uma gestão profissionalizada.

Com o aumento da concorrência, no entanto, é fundamental que o advogado empreendedor saiba pensar seu escritório como empresa, seja para ganhar competitividade, seja para se destacar na prestação de serviços jurídicos.

Para profissionais que ainda não se convenceram da importância de ser um advogado empreendedor e pensar seu escritório como empresa, vale apena conferir!

Garanta a saúde financeira do seu escritório e saiba como agir estrategicamente

Medidas simples praticadas por empresas, como o controle do fluxo de caixa por exemplo, ajudam o profissional a entender a capacidade financeira do seu escritório e avaliar em que medida é possível fazer investimentos, ou ainda, será necessário partir para ações de prospecção.

Através do controle do fluxo de caixa, o advogado empreendedor consegue tomar decisões mais seguras, fazendo um uso mais racional e inteligente do capital disponível.

Separe as finanças do escritório das finanças pessoais e evite riscos

A maior parte dos escritórios de advocacia existentes no merca

do são empresas pequenas que atuam dentro de uma estrutura familiar. Por isso, não é difícil encontrar escritórios onde o financeiro da empresa se mistura com o financeiro pessoal dos sócios. Essa confusão nas despesas, no entanto, é um problema grave que pode gerar riscos ao negócio. Infelizmente, muitos advogados só se dão conta disso quando começam a faltar recursos para as despesas do escritório.

Um dos primeiros passos para quem quer empreender na advocacia, gerando lucros e resultados, é separar as contas pessoais das contas do escritório. Advogados que não pensam o escritório como empresa e misturam despesas, costumam se perder e acabam gastando mais do que o escritório gera.

Ajuste a remuneração dos sócios e evite problemas na sociedade

O pró-labore dentro de uma empresa tem a mesma função de um salário para os sócios, ou seja, serve para remunerar os sócios pelo trabalho realizado. Os escritórios de advocacia que não possuem este tipo de definição no contrato social, acabam promovendo um cenário bastante propício para desentendimentos entre os sócios, mesmo sem querer. Isso sem mencionar a confusão do patrimônio, que também gera riscos financeiros para o negócio.

Invista em tecnologia e se torne um advogado empreendedor mais produtivo

É natural que advogados acumulem diferentes tarefas no seu dia a dia. Elaboração de peças processuais, reuniões com clientes, audiências, reuniões internas, revisão de contratos, autorização de pagamentos, etc. Essas são apenas algumas das atividades comuns à tantos profissionais, que fazem com que o advogado tenha que se desdobrar para dar conta de tudo. Além de saber delegar, o advogado empreendedor investe em tecnologia para otimizar sua rotina. Hoje, com o auxílio dos softwares jurídicos o advogado pode fazer a gestão de seus processos de forma muito mais eficiente, ganhando mais produtividade e tempo para cuidar de outros aspectos do seu escritório.

Ver seu escritório como empresa, profissionalizando a gestão e se valendo de princípios simples para gerar lucratividade e a manutenção do negócio é um passo importante especialmente no cenário atual. Advogados que quiserem sobreviver e gerar impacto no mercado, não podem deixar de desenvolver essa visão.


Você é um advogado empreendedor? Quais as medidas que você adota para pensar seu escritório como empresa? Compartilhe sua experiência nos comentários. E não deixe de conferir como uma boa escolha de um software pode influenciar na sua credibilidade. Clique aqui e saiba mais!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *