5 coisas que a faculdade de direito não ensina

faculdade de direito

A faculdade de Direito, ou melhor, todas as faculdades de maneira geral, apresentam algumas limitações para sistematizar um currículo que reúna todas as disciplinas e competências necessárias para formar um profissional de excelência. Isso nem de longe retira a importância de cursar nível superior, mas deve chamar a atenção para a necessidade de se buscar alternativas para preencher lacunas na própria formação.

Em se tratando do curso de bacharelado em Direito em específico, as principais reclamações dizem respeito a falta de preparo para a realidade do mercado advocatício. Na percepção da maioria dos profissionais, os cursos pecam ao não mobilizar parte do percurso curricular para ensinar noções de gestão financeira, marketing jurídico, entre outros aspectos ligados à realidade do advogado. 

Pensando nisso, o post de hoje é dedicado a pontuar 5 coisas que a faculdade de Direito não ensinam e que você, enquanto advogado, deve buscar conhecer. 

1. Noções de gestão financeira

Conhecer noções de gestão financeira não é importante apenas para quem é dono da própria banca de advocacia, mas para quem também é assalariado ou advoga de forma autônoma. Afinal de contas, sem o mínimo de organização para administrar as próprias finanças, faltarão recursos para seguir sua carreira de forma consistente. 

2.  Marketing jurídico

Marketing jurídico é a estratégia voltada a fortalecer a imagem de advogados e escritórios em meio digital sem ferir o Código de Ética e Disciplina da OAB. Essa é uma forma de conquistar novos clientes e apresentar os diferenciais competitivos de seu negócio. 

Por diferentes canais de comunicação, como redes sociais, e-mail, blogs e podcasts é possível apresentar conteúdo relevante para seu público e fazer sua marca aparecer.  O investimento em presença digital é uma necessidade latente no mundo de hoje, em que as pessoas buscam informações sobre produtos e serviços essencialmente via internet.

3.  Relacionamento com o cliente

Outra competência essencialmente ligada ao mundo do trabalho é o relacionamento com o cliente. Quem pensa em advogar deve se preocupar desde já em aprimorar esse aspecto. Isso porque, mais que lidar com rotinas jurídicas, é preciso saber gerenciar as expectativas dos clientes para que eles saibam o que esperar em relação ao atendimento da demanda apresentada. 

4.  Relacionamento interpessoal

Relacionamento interpessoal é mais uma competência que a faculdade de Direito não costuma ensinar. De fato, trata-se de algo bem intuitivo, difícil de descrever em um manual ou curso. No entanto, é algo determinante para quem pensa em alçar grandes voos na carreira. Não esqueça que seus colegas de faculdade, escritório e em todos os demais espaços estratégico pelos quais você tenha passado podem ser determinantes em eventos futuros, como em um novo projeto, negócio ou qualquer outro tipo de parceria. Por isso, qualifique seu perfil profissional junto a essas pessoas e estabeleça uma relação de cordialidade e cooperação para ser sempre lembrado.

5.  Iniciativas de inovação

O ambiente acadêmico é marcado por um certo tradicionalismo, que pode ser muito bem percebido no formato das aulas. A maioria das instituições seguem uma mesma cartilha composta por aulas expositivas, com pouco participação efetiva dos alunos no espaço de sala de aula. Esse é um dos principais fatores que frustram as iniciativas de inovação ou que permitem que elas se desenvolvam. E como se sabe, no mercado de trabalho isso é amplamente exigido.

Gostou do artigo de hoje? Que tal conferir mais um conteúdo de nosso blog? Dessa vez falamos sobre Como manter um escritório com pouca verba.