Atenção, estagiários! 10 dicas sobre o que fazer depois de se formar em Direito.

Atenção, estagiários! 10 dicas sobre o que fazer depois de se formar em Direito.

Então, eis que o tão sonhado dia chegou. Você se formou em Direito e, a essa altura, já sabe muito bem que a palavra estágio fará parte da sua trajetória na profissão. Se é que já não faz…

Bom, o Direito é uma área que oferece amplas opções de atuação. Desde começar uma startup até seguir uma carreira como juiz, são diversas as oportunidades que um advogado recém-formado tem pela frente. Mas, antes disso, que tal encarar um estágio?

Depois de formado, um advogado precisa estar livre de dúvidas para escolher os rumos da sua vida profissional. Por isso, separamos algumas dicas nesse artigo que podem te ajudar nos seus próximos passos.
Boa leitura!

1. Escolha uma área com a qual você tem afinidade.

Durante a faculdade você já deve ter detectado as áreas do Direito com as quais você tem mais afinidade, certo? Portanto, depois de se formar, escolha uma especialização jurídica em uma área com a qual você se identifica e, logicamente, considere também os fatores de mercado.

Pense que você terá que estudar esta área para o resto da vida. Sim, o advogado é um profissional que precisa se atualizar constantemente, seja em razão das mudanças na legislação ou alterações na jurisprudência. Então é melhor escolher uma disciplina que você goste muito.

2. Não se deixe levar pelas áreas em evidência, mas…

A cada ano surgem novas áreas e tendências no mercado jurídico. Recentemente, o Direito Digital ganhou bastante destaque por tratar das relações online e problemas jurídicos relacionados ao uso da tecnologia.

Embora essas áreas despertem curiosidade é bom pensar bem. Mais do que se especializar, procure avaliar as possíveis demandas, quais são as reais possibilidades de você realmente atuar na área escolhida e até se será necessário mudar de cidade para investir em um nicho de mercado.

Afinal, nada mais frustrante do que investir em uma especialização jurídica e acabar atuando em outra área. De toda forma, vale a pena escutar a intuição. Se o seu sonho é se especializar em Direito Ambiental, Direito Digital, Arbitragem ou qualquer outra área que seja tendência, vá em frente.

3. Plano de carreira: trabalhe no seu antes de definir os próximos passos.

Uma Especialização em Direito exige disciplina e dedicação. Portanto, pense bem sobre os seus próximos passos e pretensões no mercado. O tempo passa muito rápido.

Escolher uma especialização jurídica é quase como um quebra cabeça. Se você se vê trabalhando em grandes escritórios, aposte em áreas como o Direito Ambiental ou Imobiliário. Caso decida empreender, talvez seja melhor você investir em áreas que possuem mais demandas no mercado, como Trabalhista, Previdenciário, Tributário e Cível.

Você se vê trabalhando com empresas e em um perfil mais empresarial? Talvez seja melhor investir no Direito Tributário, Societário ou de Contratos, que possuem mais esse perfil. Agora, se você gosta de atuar com pessoas físicas, as áreas da Família, Penal ou do Consumidor podem ser boas alternativas.

De toda forma, não existe uma receita de sucesso para o advogado. Independentemente da área escolhida, será necessária muita dedicação para você chegar lá.

4. Carreiras públicas.

Bons salários e estabilidade são motivos mais do que plausíveis para definir uma carreira. No entanto, se o seu sonho é ser juiz, promotor, delegado ou defensor público, pense melhor.

É essencial ter clareza sobre os motivos que te levaram a buscar uma carreira pública. Muitos advogados só levam em consideração os bons salários, a estabilidade e até o prestígio que algumas carreiras públicas podem trazer e esquecem a vocação para o cargo.

Para desempenhar bem na carreira pública você precisa ter resiliência e, sobretudo, vocação. Além de muito estudo, esse caminho requer dedicação e muito foco.

Buscar um coaching de carreira antes mesmo de tomar a decisão de prestar um concurso público, por exemplo, pode te ajudar a clarear as ideias.

5. Advocacia em escritórios.

Um jovem advogado, mesmo em início de carreira, costuma ter uma grande carga de trabalho e muitas responsabilidades. Por isso, se você optar por seguir esse caminho, é bom estar certo e disposto a se dedicar.

A advocacia em escritórios é o caminho tradicional para quem tem o sonho de advogar depois da faculdade de Direito. Em geral, jovens advogados que já escolherem que carreira seguir, começam mais cedo em programas de estágio e trainee. Outros, ao experimentarem o estágio em escritório (obrigatório no curso de Direito), já optam por este caminho.

O ideal é buscar oportunidades nas áreas de interesse e avaliar quais são as possibilidades de crescimento dentro do escritório escolhido.

6. Advocacia em empresas.

Você gosta de administrar contratos e processos? Atividades de gestão lhe agradam? Então a carreira jurídica dentro de uma empresa pode ser bastante promissora para você.

Além de conhecer bem a legislação que impacta o dia a dia da empresa, o advogado que atua no jurídico corporativo precisa ter boas habilidades como gestor. Isso porque terá que lidar não apenas com equipes, mas também com escritórios de advocacia que assumem as diligências.

7. Advogado autônomo.

Para quem tem perfil empreendedor e sonha em ter o próprio escritório, construir uma carreira como advogado autônomo pode ser um bom caminho depois da faculdade.

Atuar de forma autônoma pode parecer simples, mas, na prática, exige do advogado algumas habilidades que vão além dos conhecimentos jurídicos. Ter uma noção básica de gestão, boa comunicação e capacidade para desenvolver um bom networking, por exemplo, são competências essenciais.

Hoje, existem diversos recursos para ajudar o advogado autônomo, que vão desde ferramentas digitais até espaços compartilhados de trabalho. Uma dica importante, caso você opte pela advocacia autônoma, é contar com um software jurídico para te auxiliar nas demandas diárias.

Ter um software no escritório é, para dizer o mínimo, fundamental. Porque, vamos combinar, começar sempre é difícil. Então comece do jeito certo, ou seja, automatizando as suas rotinas jurídicas.

8. Advogado correspondente.

Em diversos casos, os advogados não conseguem fazer um bom acompanhamento processual em razão da localidade. Como muitos processos tramitam em fóruns distantes, na maioria das vezes é mais vantajoso contratar um advogado correspondente do que se deslocar.

Para quem está começando na carreira, atuar como advogado correspondente pode ser um excelente caminho. Além da flexibilidade para trabalhar, a prática confere experiência ao jovem advogado, além de um bom networking e renda para os primeiros passos no mundo jurídico.

A atuação como correspondente também pode ser uma boa oportunidade para quem está prestando concurso. Sim, para ser admitido em determinados concursos, você precisa comprovar três anos de prática jurídica e a atuação como correspondente irá te ajudar a cumprir essa exigência.

9. Olho no empreendedorismo e na inovação.

Quem disse que na área jurídica não existe espaço para inovar? Para quem tem um perfil mais empreendedor, o universo das startups pode ser uma boa oportunidade de investimento.

Hoje, já existem no mercado startups jurídicas que atuam em diferentes ramos do Direito. Para quem pensa fora da caixa, gosta de tecnologia e inovação e, obviamente, é apaixonado por Direito, esse pode ser o caminho ideal.

Quando a caminhada é longa, vale mais apostar na direção do que na velocidade. Por isso, estude, experimente e avalie todas as suas possibilidades de rota. O sucesso é só uma consequência da dedicação e do foco nos objetivos.

10. Pense muito além do mercado jurídico.

Lembre-se, existem outras opções de carreira fora do mercado jurídico.

Você pode atuar na área pública como auditor fiscal da Receita Federal, diplomata e até seguir uma carreira na polícia. Já na área privada, o conhecimento jurídico também abre portas. Uma boa base em Direito Tributário e Empresarial, por exemplo, pode te ajudar a compor equipes interdisciplinares ou a prestar consultorias para o mercado.

As oportunidades são muitas, já que o bacharel em Direito ao longo da sua formação alia o estudo do conteúdo jurídico às ciências humanas, políticas e sociológicas, bem como a contabilidade e economia.

Para finalizar: qualquer escolha que você tomar exigirá disciplina e imersão. Principalmente porque você vai precisar reservar um espaço na sua atribulada agenda de jovem advogado para se dedicar aos estudos da área escolhida.

Por isso, a primeira ação a ser tomada para ganhar tempo no seu dia a dia é contar com um software jurídico para te ajudar com a sua rotina de trabalho.

Integra, ferramenta desenvolvida pelo PROMAD em 2008, é líder no segmento e foi pensado para aprimorar a organização das suas rotinas jurídicas.

Atualmente, mais de 80 mil advogados em todo o Brasil utilizam o software. Pensado para cuidar da gestão de escritórios jurídicos, o Integra te ajuda, por exemplo, com a agenda, o fluxo de caixa, captura de intimações de sistemas eletrônicos entre outras funcionalidades.

Acesse www.promad.adv.br e conheça melhor o Integra, o software jurídico do advogado brasileiro.

Deixe uma resposta