Como divulgar os seus serviços sem violar as regras do marketing jurídico?

Como divulgar os seus serviços sem violar as regras do marketing jurídico?

Crescer sem aparecer. Aí está uma missão ingrata, não é mesmo? Mesmo assim, muitos advogados continuam céticos em relação ao uso do marketing no meio jurídico. No entanto, com o mercado cada vez mais competitivo, apostar numa boa estratégia de marketing é fundamental para construir marca e obter resultados efetivos para o seu escritório.

No entanto, os advogados precisam tomar alguns cuidados. As ações de marketing para o meio jurídico não são ações comuns. Isso porque o Código de Ética da OAB estipula limites e regras para a contratação do marketing jurídico e a divulgação dos serviços prestados por advogados. De forma geral, as condutas previstas no Código de Ética da OAB garantem a credibilidade e a dignidade da advocacia, tratando tanto de direitos quanto deveres do advogado.

Quer saber como divulgar os seus serviços jurídicos sem violar os preceitos do Código de Ética da OAB? Esse artigo te ajuda a compreender melhor o tema.

Regras para marketing jurídico na divulgação em veículos de massa.

A fim de evitar sanções disciplinares e problemas com a OAB, advogados e escritórios de advocacia devem ter alguns cuidados na hora de divulgar os seus serviços. A publicidade em veículos de massa, tais como TV, cinema, rádio e até outdoors é expressamente proibida pelo Código de Ética. Colocar imagens e publicidade em muros, paredes ou espaços públicos também não é uma conduta permitida.

O advogado pode incluir letreiros e sinais de indicação na porta de seu escritório, obviamente. Desde que não haja conteúdo publicitário, mas apenas indicativo, o advogado não infringirá nenhuma regra do Código de Ética.

Advogados podem promover os seus serviços na internet?

Ações de marketing jurídico podem ser realizadas tanto no meio online quanto offline. Porém, quando se trata de realizar ações na internet, o advogado deve ter muita cautela e observar as regras para a utilização de marketing jurídico.

Sendo assim, todo tipo de conteúdo divulgado na internet deve ter caráter meramente informativo. Qualquer conteúdo que tenha como única finalidade a prospecção de clientes, pode gerar problemas e sanções ao advogado e ao seu escritório.

Além disso, o advogado deve ter o cuidado de não promover os seus serviços juntamente com outros que não tenham relação direta com a área jurídica. Esta também é uma regra para marketing jurídico.

Por fim, a compra de qualquer tipo de espaço na internet é expressamente vedada pelo Código de Ética (artigo 44, § 2º). Essa foi uma das novidades apresentadas na alteração do Documento que levantou questionamentos por parte dos advogados e escritórios. Assim, anúncios patrocinados e campanhas em buscadores devem ser avaliados com cuidado por escritórios e advogados, a fim de evitar sanções.

É correto divulgar o preço dos serviços?

Quaisquer informações acerca de valores de honorários ou preços de serviços devem ser repassados ao cliente de forma pessoal ou sob consulta. De maneira alguma o advogado deve divulgar valores, seja por meio de um site ou qualquer outro meio offline.

O Código de Ética veda a divulgação de preços como forma de evitar a competição por valores. De maneira geral, a elaboração dos honorários advocatícios deve considerar os parâmetros estabelecidos na tabela de honorários da OAB e os valores devem ser repassados exclusivamente ao cliente ou potencial cliente.

E as consultas gratuitas, são permitidas?

Oferecer consultas gratuitas – seja por meio de um site ou aplicativo como o WhatsApp, por exemplo – também pode trazer problemas. Embora oferecer pequenas consultorias seja uma estratégia de marketing eficiente dentro de muitos setores, na advocacia, esse tipo de conduta fere as regras de marketing jurídico.

Uma boa alternativa para quem pretende atrair clientes sem ferir o Código de Ética é divulgar conteúdo de qualidade através de um blog jurídico. Desde que o conteúdo seja meramente informativo, logicamente, o advogado pode despertar a atenção do seu público-alvo sem esbarrar nas restrições do Código da OAB.

Neutralidade na apresentação: sempre a melhor escolha.

Ter um bom material de divulgação do seu escritório e serviços jurídicos é essencial, devido à alta concorrência. Porém, uma boa apresentação também deve estar adequada às premissas do Código de Ética. Além da discrição e sobriedade, é fundamental que imagens utilizadas tenham um conteúdo neutro.

Usar imagens de tribunais e outros órgãos públicos, por exemplo, pode sugerir uma relação do advogado com as instituições divulgadas. Portanto, evite o uso deste tipo de imagem em qualquer material, incluindo sites e materiais institucionais.

Importante: cartões de visita não devem conter fotos e mencionar cargos já ocupados pelo advogado. Assim, evita-se a sugestão de qualquer tipo de influência.

Bom, ficou claro que conhecer e respeitar o Código de Ética da OAB e as suas restrições para a prática do marketing jurídico é imprescindível. Contratar profissionais adequados e cientes das regras para elaborar sites, logos e materiais gráficos, também.

Portanto, agora que você já sabe como proceder para investir em marketing jurídico, comece a planejar os seus próximos passos na direção de uma marca forte. A primeira ação é contar com o auxílio de bons profissionais do segmento.

A equipe de Marketing Jurídico do PROMAD, por exemplo, conta com designers especializados no universo jurídico, pautados pelo Estatuto da OAB, e está sempre pronta para conversar com os advogados sobre o papel do marketing jurídico nos escritórios de advocacia.

Acesse www.promad.adv.br e conheça melhor essa poderosa ferramenta.

Deixe uma resposta