Relatórios para escritórios de advocacia: por onde começar?

Relatórios para escritórios de advocacia: por onde começar?

“O que não pode ser medido, não pode ser gerenciado”. A famosa frase do estatístico William Edwards Deming expõe uma realidade que também se aplica aos escritórios de advocacia.

No entanto, boa parte dos advogados não sabe como avaliar os dados da própria banca e, infelizmente, apenas uma minoria sabe como processar essas informações e gerar relatórios que ajudem na implantação de uma gestão mais estratégica.

Se você faz parte desse grupo de advogados e quer saber como gerar os seus relatórios e obter melhores resultados, vale a pena conferir as dicas desse artigo.

Por que relatórios na advocacia são importantes?

Nos últimos anos, o mercado jurídico passou por grandes transformações. Com o aumento da concorrência e o desenvolvimento da tecnologia, questões como eficiência e produtividade passaram a
ser uma preocupação para a maioria dos advogados.

Se antes boa parte dos profissionais estava preocupada com o aprimoramento dos conhecimentos técnicos, hoje, mais e mais profissionais se preocupam com uma gestão eficiente do próprio escritório.
Em paralelo, é necessário manter a alta qualidade dos serviços.

Para administrar um escritório com efetividade, no entanto, não se deve agir somente com base na intuição. O advogado precisa conhecer bem os pontos fortes e fracos do seu negócio para fundamentar as suas decisões comerciais.

Saber o seu número exato de processos ativos, ticket médiotaxa de churn (métrica que indica o quanto sua empresa perdeu de receita ou clientes), quem são os advogados mais produtivos do seu time e até a situação do seu fluxo de caixa são, certamente, pontos essenciais para quem quer adotar uma gestão pautada em efetividade.

É justamente para evitar que o advogado gerencie o seu escritório no escuro que os relatórios são essenciais na advocacia. Afinal, é por meio deles que o advogado consegue ter um panorama completo da sua banca e, a partir dele, traçar boas estratégias.

Por onde começar?

Existem inúmeras formas de se compilar dados e gerar relatórios. Uma das ferramentas mais utilizadas para isso são as planilhas. No entanto, elas são um recurso bastante limitado que pode comprometer a visualização de dados e o acesso a informações importantes.

Ou seja, planilhas são coisa do passado. Hoje, o advogado já tem à disposição softwares jurídicos bastante completos, capazes de gerar excelentes relatórios para direcionar suas ações.

Por isso, indicamos que você escolha um bom software jurídico para te ajudar na confecção de relatórios completos. Afinal, informação é e sempre será fundamental no Direito.

Relatórios na advocacia: análise e resultados.

Muitos advogados administram o próprio escritório “no escuro”, sem informações para ajudar nas tomadas de decisão. Por meio dos relatórios, o advogado pode ter uma avaliação mais precisa sobre a sua banca, direcionando as suas ações de forma positiva. Abaixo, trouxemos alguns exemplos de relatórios que podem beneficiar o seu escritório:

Relatórios de Processos.

A maioria dos escritórios gera relatórios desse tipo para informar seus clientes sobre andamentos.
Claro que a transparência é um fator importante na prestação dos serviços jurídicos. No entanto, os relatórios de processos também podem ser úteis para uma análise mais global.

Saber quantos processos estão ativos, quem é o advogado responsável por quais processos, qual o tempo gasto trabalhando em cada processo etc. Dados como estes são importantíssimos e podem ser obtidos facilmente através de relatórios.

Relatórios Financeiros.

Ter dados em mãos sempre é primordial. A maioria dos advogados têm dificuldades em interpretar as informações financeiras do próprio escritório. Saber como analisar o fluxo de caixa, identificar os clientes que mais trazem resultados financeiros ou descobrir quem está inadimplente são bons exemplos do que você precisa saber para que a sua advocacia seja lucrativa.

Relatórios financeiros também demonstram quais os gastos com despesas administrativas e processuais. Ou seja, assim você não deixa de calcular as receitas e reembolsos de honorários, cópias e afins.

Relatórios de Produtividade.

Em um mercado competitivo como é o da advocacia, ser produtivo não é mais um diferencial do negócio, mas sim, um pré-requisito. Entretanto, como saber se o seu time é ou não é produtivo?

Por meio dos relatórios é possível avaliar o tempo trabalhado por cada profissional, bem como o seu rendimento. Com os relatórios você também sabe quem são os profissionais que se destacam e trazem mais resultados para a banca.

Administrar o próprio escritório com clareza é essencial para todo advogado que almeja resultados coesos.
Os relatórios na advocacia são peças-chave nesta profissão e devem fazer parte do dia a dia de qualquer banca. Para garantir um futuro próspero e bons frutos vá hoje mesmo atrás de uma ferramenta que se encaixe às suas necessidades.

Esperamos tê-lo ajudado com as dicas desse artigo. E, agora que você já sabe por onde começar, chegou a hora de automatizar as rotinas jurídicas e de utilizar relatórios específicos para escritórios jurídicos.

O primeiro passo para contar com relatórios e outras boas práticas de gestão é adquirir um bom software jurídico para o seu escritório.

O Integra, ferramenta desenvolvida pelo PROMAD em 2008, é líder no segmento e foi pensado para aprimorar as suas rotinas.

Atualmente, mais de 80 mil advogados em todo o Brasil utilizam o software. Pensado para cuidar da gestão de escritórios jurídicos, o Integra te ajuda, por exemplo, com a agenda, o fluxo de caixa, captura de intimações de sistemas eletrônicos entre outras funcionalidades. Acesse www.promad.adv.br e conheça melhor o Integra, o software jurídico do advogado brasileiro.

Deixe uma resposta